quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Boinas!

É interessante como uma peça pode ganhar tantas utilidades e significados simbólicos. Mais interessante é como ocorre esse processo de transformação. Pensar quais mecanismos sociais, econômicos, filosóficos e até políticos influenciam essas metamorfoses e apropriações me faz surgir indagações- "como?", "quando?", "por quê?". A boina é um exemplo claro disso. 

Eu gosto muito de boinas, mas nunca as usei. Um dos motivos é a questão do ambiente. Mas deixa pra lá. Ultimamente, tenho visto uma francesa maravilhinda (ela já apareceu aqui ó) postar looks usando boinas em diversas ocasiões/montações, desde a combinação mais casual, tipo jeans e camiseta, até em eventos mais formais- usando um vestido chique e lá na cabeça uma boina. Putz, que irado! No caso dessa moça, a boina tem um sentido particular de empoderamento. Ela alisava o cabelo e agora tá deixando o black livre. Tem a ver com uma mudança de postura, de enfrentamento, de afronta mesmo. Eu pareço estar viajando, mas acho a reflexão válida.

A origem da boina é francesa. Feita de lã, como uma espécie de feltro, era usada por camponeses já no século XVII. Mas espalhou-se pelo resto do mundo e ganhou as cabeças de soldados, pensadores, artistas, grupos políticos pelos mais variados motivos e sentidos. Cada cor e jeito de usar com um significado específico. Isso é muito incrível! Você olhar pra uma pessoa e se perguntar: que leitura do mundo essa pessoa faz? Quem é essa pessoa?

Eu to bem a fim de sair por aí bem afrontosa com uma boina rosa (até rimou ahahah). Pra mim, dá um ar misterioso, artístico, intelectual. A questão do ethos estético. Olha, daria uma dissertação de mestrado. ahahah<3 ficaadica="" p="">


 olhaí a musa inspiradora
adeline rapon

 avisou meisxmo





















fechando com essa linda porque depois vai ter um post só dela


Quero uma boina pra ontem!





quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Incubus: eu fui!

Há dezoito anos, sim, dezoito anos, que esperava por esse dia. Um sonho que atingiu a maioridade. Um sonho que carrego metade da minha vida. Meus sonhos não são tão inalcançáveis, pra muitas pessoas, são até bobos, i don´t care

Lembro da primeira vez que ouvi, não pera... a primeira vez que vi Incubus. Porque foi o aspecto visual que primeiro me chamou a atenção. Era o clipe de Drive, o hit mais conhecido da banda. Amei a referência de Escher (drawing hands), depois amei a melodia, amei a letra, amei a banda! Fui procurar saber quem eram e virei fã. 

Baixei tudo que achei, era muito difícil de encontrar porque eles não eram tão conhecidos, e continuam sendo assim até hoje. Fiquei chocada com os primeiros trabalhos deles, bem diferente, mais pesado mas com muito groove, muita percussão, que amo demais. Incubus é uma banda inconfundível, não conheço outra que seja parecida.

Depois que já havia me certificado que não era fogo de palha (kkkk), fui nas lojas de cd´s (saudades dessas lojas) procurar os originais e não tinha aqui em Natal, obviamente. Mas sempre que ia ao centro, aperreava os vendedores, me fazendo de doida: "moço, onde estão os cd´s de Incubus?" E eles nem sabiam que banda era essa. Aí eu trazia um cd só pra fazer a cliente que compra kkkk. 

Quando saiu o quinto álbum deles, "A crow left of the murder", em 2004, lá vou eu nas lojas fazer a chata de novo: "moço, cadê o cd novo de Incubus? Vou ter que importar? Aff, essa loja não tem nada." Aperreei tanto que o cara anotou (fazendo o vendedor interessado nos pedidos dos clientes) e depois, outro dia, quando voltei, não é que o meu cd tava lá me esperando! Detalhe, só pediram um, o meu. Meu deus, sou mesmo chata ahahah.

A banda veio a primeira vez em 2010, depois em 2013, até planejei ir no de Belo Horizonte, não deu certo. Mas já sabia que outras oportunidades iriam surgir porque agora já eram mais conhecidos. Até que esse dia chegou. Ano passado foi anunciado que eles vinham tocar no Rock In Rio e, claro, fiquei atenta ao início das vendas dos ingressos. Nunca tive essa coisa de ir ao RIR porque não é mais um festival de rock, e outra: é muito mais gente e o show é mais curto, mas não tinha jeito, eu ia e fim de papo. 

Quando abriu a venda, os ingressos esgotaram em menos de uma hora e eu não consegui. Quase choro, mas tinha a opção dos pacotes e, enfim, deu certo. Aleluia! E foi isso. Completei a lista de shows que tinha que ver antes de morrer senão eu morria ahahah. 

Praticamente não tirei fotos do show, fiz mais videos curtos porque queria ter esse momento registrado. Ou você curte o espetáculo (e que espetáculo! só críticas boas sobre o show) ou registra bonitinho. Então segue abaixo alguns desses registros.

outro problema foi chegar o mais próximo do palco
quase não dava pra se mexer, os fãs do guns separou a galera do incubus
mas consegui ficar numa distância boa

fim do show que teve exatamente uma hora certinha
e não teve volta
cry

a banda tocou demais e brandon cantou do início ao fim
sem embromation, sem papagaiada 
e sempre agradecendo no fim de cada música 💗


rolou cover de pink floyd no fim da música wish you were here deles

a primeira música deles que ouvi


essa música foi na era bush, mas serve pra trump e pra #foratemer também

Bem, é isto. Os vídeos foram feitos com celular porque não podia entrar com câmeras, mas valeu mesmo assim. O blog já tem sete anos e eu sempre pensava em fazer um post enaltecendo essa bandinha que mora no meu coração, mas preferi esperar pra quando fosse ao primeiro show. Assim, está aberta a temporada de posts sobre a banda. 💗

Espero que o próximo show deles aqui seja solo. Eles merecem, e nós, fãs, também.


Xêro


terça-feira, 19 de setembro de 2017

Ilustrações: Milena Huhta

Milena Huhta é uma ilustradora e designer gráfica finlandesa. "Descobri" seu trabalho no instagram. Ela mistura cultura japonesa, ficção científica, moda e anos 90, criando personagens melancólicas, cheias de estilo e fantasia. Sou apaixonada pelo traço e por suas cores. Não sei se gosto mais das ilustras coloridas ou das em preto. Amo os detalhes dos cabelos e dos cílios grossos. 

















autorretrato dela 



sábado, 1 de julho de 2017

Pink at black

Preto sempre foi minha cor favorita, mas a cor rosa tem ganhado meu coração de uns anos pra cá. É uma desconstrução/reconstrução de todo o símbolo que a cor carrega. Neguei no início da adolescência até os vinte e poucos. Mas agora morro de amores pela cor. 💗

Além da cor ser linda, ela fica maravilhosa na pele negra. Buscando inspirações, encontrei uma série de estudos de uma fotógrafa (clique AQUI pra ver) maravilhosa. Gente, rosa é a melhor cor! Já quero sair por aí fazendo a Pantera Cor de Rosa.😅

Trouxe umas inspirações massa pra vocês verem como rosa cai bem na gente.























 rosa não é pra qualquer um, não, queridx!





"rosa é cor de mulherzinha"




Rosa é poder!